PEDRA FILOSOFAL

"Em vez de pensar que cada dia que passa é menos um dia na sua vida, pense que foi mais um dia vivido." (Gustavo Bastos)

domingo, 13 de setembro de 2015

LUZ DEL FUEGO, A BAILARINA DO POVO

“Luz Del Fuego buscou a sua própria verdade, e incitou a fantasia e a curiosidade de toda uma geração de brasileiros.”

PERFIL DE UMA LIBERTÁRIA
   Dora Vivacqua se afirmava pela diferença, nunca obedeceu a nenhum padrão, sua luta libertária fez dela Luz Del Fuego, nome artístico que foi a sua marca no mundo. Figura extemporânea, Luz Del Fuego buscou a sua própria verdade, e incitou a fantasia e a curiosidade de toda uma geração de brasileiros.
   Mexendo com preconceitos, sacudia convicções. E sua imagem verdadeira vai muito além da vendida como a prostituta megalomaníaca, da mulher das cobras, que se utilizava de um símbolo fálico para dar vazão a sua sexualidade desenfreada. Sua imagem, contudo, de perto, demonstrava a mulher à frente de seu tempo, pois não era uma vedete qualquer, que seduzia os homens com gestos lascivos, afrontando a sociedade, Luz Del Fuego tinha ideias, muitas ideias.
   E se pudermos dar um horizonte intelectual a ela, aqui está um pensamento que envolvia o teatro de revista, escândalos, nudismo e cobras. Ela era, também, a vermos sua biografia, a famosa ovelha negra da família, assunto tabu dentro de certas caretices. Precursora do feminismo e do naturalismo, ela assumiu uma inquestionável posição de vanguarda em relação a sua época, até se retirar em busca de uma vida solitária no seu paraíso particular, a ilha do Sol. Seu nome: Dora Vivacqua, ou melhor, Luz Del Fuego.

PRIMEIROS ANOS
   Na adolescência, Dora já não aguentava o cotidiano provinciano de Cachoeiro de Itapemirim, e tampouco Vitória lhe atraía, sua vista se voltava para o Rio de Janeiro, aonde lhe parecia haver mulheres mais livres, na praia. Ali, em Cachoeiro, ser alegre e desenvolta escandalizava as pessoas. Dora dizia que o mal das moças de Cachoeiro era acreditar em príncipes encantados. Elas não deviam ler romances de Madame Delly e não bancar as santinhas.
   Dora era audaciosa nos namoros e no modo de se vestir, abominava o uso do sutiã. E, numa época em que o biquíni ainda era desconhecido de muitos, ela desfilava pela praia de Marataízes de calcinha e bustiê improvisado com lenços. No carnaval, suas fantasias, feitas por ela mesma, eram sumárias e transparentes, fosse de havaiana ou odalisca, sempre estava com o umbigo de fora. E, além da fantasia, organizava blocos de carnaval.
   Dora começava a sua busca por algo extraordinário que transformaria a sua vida, e já estava em choque com inúmeras convenções sociais. Estando em Belo Horizonte, achava a cidade tão tediosa quanto Cachoeiro. Recrudesciam as desavenças com a mãe, e Dora já herdava os gestos da vamp Pola Negri, sua atriz favorita.

NO RIO DE JANEIRO, A LIBERDADE
   Dora, já no Rio de Janeiro, conhece o locutor César Ladeira, celebridade do rádio, numa leitura de crônica na Rádio Mayrink Veiga. Morar na então capital federal era tudo o que Dora queria, a cidade fervilhava nos primeiros anos da década de 1930. Na esperança de vencer a resistência sexual da pequena capixaba e sabendo de suas ambições, César Ladeira prontificou-se a introduzi-la no meio artístico, e na época o ponto de encontro ficava no Largo da Lapa. Considerada a Montmartre carioca, ali vivia o Rio boêmio.
   É então que numa abordagem audaciosa, José Mariano, filho do famoso arquiteto José Mariano Filho, conhece aquela que ele logo chamou de “Mignon”, Dora. Quando conheceu Dora, José Mariano era um bon vivant que usufruía as benesses do berço de ouro. Bem-educado, rico, bonitão, vivia à caça de novas conquistas. O que o atraiu na então “Mignon” não foi a beleza, pois havia muito a observava, pois Dora circulava pelos salões com desenvoltura, sem se preocupar com narizes torcidos ou comentários maldosos, não era uma jovem comum, e apesar das aparências, nada vulgar.
   Por detrás do sorriso doce, da voz aveludada, era toda feita de ação impetuosa. Tinha o perfume do escândalo, e José Mariano atiçou o faro para isto. Quanto a Dora, a constante busca de emoções a fizera se aproximar de Mariano, e logo estava apaixonada. Os dois, em comum, tinham a voracidade pela vida. E, para Dora, havia a vantagem de ele não ser uma celebridade como César Ladeira ou Manoel de Teffé, o que dava a ela a chance de sobressair-se.

FASES DE INTERNAÇÃO, A HIPOCRISIA FAMILIAR
   Ao encontrar o marido bolinando a própria irmã (Dora) em sua própria casa, Angélica tivera uma crise histérica, havia muito sabia das infidelidades dele, um mulherengo incorrigível, com amantes espalhadas por toda a cidade, só que a posição social e financeira de Carlos, um dos maiores empreiteiros do Brasil na época, convinha aos seus interesses de mulher ambiciosa, a despeito do desencanto que era seu casamento.
   Pois então, mesmo ciente da culpa do marido, Angélica achara melhor abafar o escândalo, internando Dora num manicômio. E, nos dois meses que passou no Hospital Psiquiátrico Raul Soares, em Belo Horizonte, Dora conheceu o inferno de que sua mãe tanto falava. Na internação, Dora grita todo o seu ódio, e bate furiosamente na porta de ferro com as mãos e os pés, “Me tirem daqui!” gritava, horas depois, sem forças para continuar gritando, fica de cócoras no cimento frio, a posição é dolorosa, e, para ela, aquilo não passava de um pesadelo. Primeiro foi o pânico, quando a fizeram trocar o vestido pelo uniforme áspero de brim, tentando fugir. Saiu correndo pelos corredores, tropeçando nos médicos e enfermeiros, até que conseguiram agarrá-la com brutalidade. E depois a arrastaram até o quarto-forte, uma espécie de solitária para as internas desobedientes, e, depois que saiu dali, percebeu que a realidade é mais absurda do que podia imaginar.
   O desrespeito ali era a rotina, pois Dora se revoltava com a arbitrariedade das pessoas que supostamente estão ali para cuidar das doentes. Se não controla o desespero, tratam-na como louca e lhe aplicam uma injeção para “descansar”. Entorpecida pela droga, Dora perde o limite entre loucura e razão.
   E, em janeiro de 1936, Dora regressava para Belo Horizonte. Mas, o episódio da internação não amansara Dora, ela estava num constante conflito com a própria família, e Dora os acusavam de hipocrisia. E, depois de seu irmão Archiles ter a ideia de mandá-la à fazenda de seu outro irmão Archilau, lá Dora desfrutou de uma liberdade bem maior do que em Belo Horizonte.
   Porém, aquilo durou pouco, pois Archilau ficou transtornado com o relato de Beg, filho do administrador da fazenda, de que Dora pediu que tirasse uma foto dela seminua com duas cobras-cipó, o que causou uma briga entre o irmão e Dora, que resultou em Dora arremessar um vaso de cristal que deu a Archimedes cinco pontos na testa e uma cicatriz para o resto da vida. Este entrevero só aumentou o fosso entre Dora e sua família, e lhe rendeu uma segunda internação.
   Desta vez, na Casa de Saúde Dr.Eiras, famosa clínica psiquiátrica do Rio de Janeiro. Esta internação não passou, para Dora, de uma pausa letárgica, pois era tal seu estado de agitação e revolta que, ao chegar à clínica, lhe aplicaram uma dose maciça de sedativo. Aí foi um círculo vicioso de terminar o efeito do remédio e Dora voltar mais agressiva do que antes, quando lhe aplicavam outra dose.
   Archiles então saiu em sua defesa e deu um jeito de tirarem Dora do manicômio. Attilio considerou a atitude do cunhado uma intromissão e ameaçou responsabilizá-lo legalmente por qualquer desatino que Dora cometesse dali para a frente. “Desatinados são vocês!” Izimbardo reagiu, cheio de indignação, “Se essa menina precisa de algum tratamento, não é em um hospício que vai encontrá-lo.”

DORA BUSCA SER ÚNICA, CONTRA AS NORMAS SOCIAIS 
   Já com sua irmã Mariquinhas, que passara também por conflitos com a família, esta se virou para Dora e disse: “Escapar do cativeiro das normas sociais traz dor e sofrimento. Você está preparada para isso, minha querida?” Mariquinhas fez esta pergunta já sabendo o futuro, pois Dora jamais se deixaria submergir no mundo das pessoas comuns, para ela, a busca da individualidade representava mais do que mera libertação da tutela familiar, vinha da infância sua vontade de ser única, inconfundível, de brilhar em todas as circunstâncias, a qualquer preço. E ninguém iria detê-la de seu destino.
   Dora, a esta altura, sonha com o Rio de Janeiro. De volta a Cachoeiro, Dora arquitetava a sua fuga, fazendo a estratégia de não provocar problemas familiares. No Rio, Dora vai para o pensionato Colégio Imaculada Conceição. E foi num Rio de Janeiro ainda sobressaltado pelo golpe de Getúlio Vargas, em novembro de 1937, que Dora começaria a viver a sua aventura, já à saída do Ministério da Agricultura com um sorriso dizendo que será inscrita no Aeroclube para tirar o brevê. Dizendo que logo estaria pilotando um avião.
   E, novamente num caso com José Mariano, este se prontificou a dar tudo do bom e do melhor para Dora, sendo esta instalada no sofisticado Edifício Netuno, em Copacabana, o apartamento era um luxo, e Dora ainda era cumulada de presentes e mimos. Sem preocupações com dinheiro, Dora dava asas à sua imaginação e ambições.  

A DANÇA DO FOGO
   E as desavenças entre ela e José Mariano começariam quando Dora decidiu fazer um curso de dança na academia de Eros Volúsia, pois Dora se fascinara com os bailados afro-brasileiros da conhecida bailarina, pois a dramaticidade de A Dança do Fogo numa temporada que ela acabara de fazer no Teatro Carlos Gomes deixou Dora impressionada, atraída por bailados exóticos, que estavam revolucionando os palcos cariocas com coreografias estilizadas. O fim de seu caso com José Mariano se deu, por conseguinte, quando Dora flagrou o encontro dele com uma louraça platinum-blonde, ali cada um seguiu seu caminho.
   A ideia da dança para Dora virou algo concreto, mais do que mera fantasia, pois começou a sua vida artística como Luz Divina, dançarina com suas incríveis serpentes. Com movimentos nem sempre graciosos, sua expressão corporal compensa tudo com uma carga erótica que conquista o público. E, até Dora se entender com as jiboias, foi uma luta. Mas, no fim, seu corpo estava em paz com o bailado entre as serpentes. E, para alegria de Dora, os jornais noticiaram o fato, as cobras começavam a lhe dar a notoriedade sonhada.
   E, enquanto isso, Dora também escrevia um romance, no seu constante conflito com a hipocrisia social, o que resultou num primeiro livro, a história de uma prostituta que busca senda da regeneração, livro literariamente fraco, mas que tinha toda uma crueza de linguagem, com descrições de cenas sexuais, fantasias eróticas e lesbianismo, e quando Trágico Black-Out foi publicado, em 1947, Luz Del Fuego começava a aparecer nas crônicas mundanas.
   A fama da exótica bailarina chegara aos teatros da cidade. E a mudança de Luz Divina para Luz Del Fuego veio da marca de um batom argentino, e para Dora, a imagem do fogo representava sua nova opção de vida, ela que antes era “água viva”, de Vivacqua.      
   E, mais adiante, a primeira metade da década de 1950 foram os anos de Luz Del Fuego. Todos conheciam a vedete que enlouquecia o Brasil, ela era o demônio vivo que desafiava as autoridades, a Igreja e a família, ocupando as manchetes de jornais e revistas, o nome de Luz Del Fuego deixava sua marca na cultura brasileira naqueles tempos.
   O grande salto na carreira artística de Dora foi, portanto, no seu encontro com Walter Pinto, no Teatro Recreio, o arrojado empresário que vinha inovando no teatro brasileiro. Ao contratar Luz Del Fuego, Walter sabia que seus espetáculos deveriam abranger todos os gostos, então Dora estava ali com ele, além de outras vedetes como Virgínia Lane, a maliciosa, Mara Rúbia, a brejeira, e Dercy Gonçalves, a escrachada. E a exótica Luz Del Fuego era garantia certa de bilheteria, em meio disto.
   E, com Walter Pinto tentando capitalizar a rivalidade entre as vedetes, se instaurou a briga entre Luz Del Fuego e Elvira Pagã. Walter deliciava-se com essa disputa e jogava mais lenha na fogueira. As manchetes dos jornais e revistas estampavam o palavrório entre as duas, enquanto a venda de ingressos triplicava. No rastro do sucesso, também vinha muita censura, com multas e interrogatórios com a delegacia de costumes, sendo até detida por desacato à autoridade em altercações públicas. Amada pelo povo e odiada pelos moralistas, Luz descobria na legenda do escândalo o caminho mais curto para a fama.

O CAMINHO NATURAL DE LUZ DEL FUEGO
   Luz Del Fuego, já depois de famosa, começou a difundir a sua nova filosofia naturalista, que tinha a culminância com o nudismo, o hábito de ficar nu nas praias. Mas, não foi fácil para Luz conseguir adeptos desta nova filosofia e prática, apesar de estar fascinada com o que lia nas publicações, especialmente nas revistas alemãs.
   Começou reunindo um pequeno grupo de amigas na praia da Joatinga, e para convencê-las a ficarem nuas, Luz discorria sobre os benefícios dos raios solares no corpo nu, tomando como exemplo famosas praias da Europa como Biarritz. E como pioneira do naturalismo na América Latina, havia a chance de seu nome ficar conhecido internacionalmente. Para isto, passou a pensar em empreender o que ela viria a chamar Movimento Naturalista Brasileiro e fundar um clube de nudismo nos moldes europeus.
   E, então, publicou A Verdade Nua, livro autobiográfico onde lançava as bases de sua filosofia naturista. Resultado: a publicação foi apreendida, considerada pornográfica. Luz então fez uma segunda edição vendida por reembolso postal, e com o dinheiro arrecadado pretendia arrendar uma ilha do governo para nela fundar a sua sonhada sede do seu clube naturalista.
   Depois de um estardalhaço em sua tentativa de fundar o Partido Naturalista Brasileiro, Luz ainda enfrentaria intensa luta para obter a cessão de uma ilha para sede de sua colônia. Ela conseguiu, e seu novo endereço era a ilha do Sol, em plena Baía da Guanabara. O lugar era inóspito, mas Luz estava decidida em transformar aquilo num paraíso nudista.
   Luz então passou a praticar o naturalismo como uma religião, não comia carne, não tomava bebidas alcoólicas e evitava refrigerantes, e para manter o bronzeado indígena que tanto perseguia, tomava longos banhos de sol, e gostava de pescar e nadar, e agora dedicava a sua vida a fundar o Clube Naturalista Brasileiro. O clube, já fundado, tinha registro na Federação Internacional Naturalista da Alemanha, e alcançou, no seu ápice, entre 1955 e 1961, a marca de duzentos e quarenta sócios, e a organização era exemplar, e a divulgação do clube era feita por uma revista publicada todo mês de nome Naturalismo.

DECADÊNCIA E TRAGÉDIA
   No fito de aperfeiçoar as instalações da ilha, após o ápice de seu sucesso, Luz foi ficando no limite de suas reservas financeiras, e o Ministério da Marinha passou a ameaçar cassar a cessão da ilha. Porém, seus esforços não deram muito certo, e Luz, com o fechamento do clube, os sócios sumiram, e o ostracismo e a decadência física eram a negação de tudo que Luz sonhara para si na vida. Cada vez mais isolada na ilha, suas aparições públicas também rareavam. E a ilha já não era um lugar seguro, pois com o clube fechado, sua vulnerabilidade aumentara, e a visita de sócios foi substituída por indesejáveis ladrões e arruaceiros que invadiam a ilha com a intenção de violentar Luz, ao que ela comprou uma arma para rechaçar as investidas a bala.
   Foi neste período que Luz entrou em confusão com lambaceiros pescando com bombas, briga que resultou na ameaça destes de dinamitar a ilha do Sol, e Luz pediu socorro na ilha do Braço Forte que era dos guardas portuários. Luz Del Fuego, depois disso, já estava há uma semana desaparecida, foi quando Mauro Dias recebeu na redação do jornal O Dia um misterioso telefonema, este era de um coveiro que deu a notícia: “Foi o Gaguinho. Ontem de madrugada ele, bêbado, olhos esbugalhados, gritava que nem doido pelas ruas do bairro: Meu diabo deu força e eu matei a mulher das cobras.”
   Luz tinha sido morta a pauladas e com um corte no peito, seu corpo deixado atrás de uma pedra na beira da praia da ilha. Segundo o relato: “Metade das coisas que falam por aí é pura lenda. Que eu sei, ele matou com uma peixeira, o Dodô, (...) depois foi um tal de Zé Trinta-e-um, (...) e um mendigo que perambulava por São Gonçalo, de nome Zé Aprígio etc.” O relato foi prontamente confirmado pela maioria dos moradores dos mangues do fundo da baía de Guanabara.
   E ainda corriam histórias fantásticas sobre Gaguinho, o “homem-diabo”, de que ele tinha o corpo fechado, que nos tiroteios um patuá em seu pescoço evitava que este tomasse tiros, com metralhadoras da polícia engasgando etc. Na sua casa, no Pontal, tinha um altar com uma estátua do Satanás ao centro e, ao fundo, um letreiro: “Vocês vão com Deus que eu fico com o Diabo.” Diziam ainda que ele tinha um urubu e um cachorro e uma cadela com os nomes de Lúcifer e Desgraça.
   Tudo isso não passaria de lendas, à primeira vista. Mas Mozart Teixeira Dias tinha uma ficha policial de condenação por dois homicídios e uma passagem pelo manicômio judiciário. E, na manhã seguinte ao relato, eis que a cidade do Rio de Janeiro era despertada com os gritos de: “Extra! Extra! Luz Del Fuego assassinada! Gaguinho mata a nudista da ilha do Sol!” O jornal O Dia dava, em primeira mão, o furo jornalístico.
   E, no reino paradisíaco da ilha do Sol, resta o desenho de duas serpentes no terraço da casa em ruínas, nada lembrando a presença de Luz Del Fuego, aonde apenas as gaivotas e o marulho do mar evocam a sua memória, a bailarina do povo e sua dança e militância naturalista estão em todo ímpeto de libertação, e quando se falar em liberdade, se fale também em Luz Del Fuego.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.

Link da Século Diário: http://seculodiario.com.br/24778/17/luz-del-fuego-perfil-de-uma-libertaria 

  
     

    

5 comentários:

  1. Que mulher fantástica! Conhecia pouco dela antes de ler tua postagem. Fiquei ainda mais apaixonado por Luz del Fuego.
    Desde que comecei a te ler, recentemente, bem recentemente, na postagem abaixo pra ser mais preciso, que cita um trecho de "O Uivo" de Allen Ginsberg , eu pensei: esse é dos meus. Passo a te seguir fielmente Gustavo. Você escreve muitíssimo bem e cita artistas e intelectuais que admiro profundamente. Abraços,

    Diego

    davila_diego@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Diego, muitíssimo obrigado pelas palavras, seja bem-vindo ao meu espaço, abraços.

    ResponderExcluir
  3. Já li muito de Luz Del Fuego mas este artigo é o que há de mais fiel ao que foi essa fantástica mulher. Texto impecável. Brilhante.

    ResponderExcluir