PEDRA FILOSOFAL

"Em vez de pensar que cada dia que passa é menos um dia na sua vida, pense que foi mais um dia vivido." (Gustavo Bastos)

sexta-feira, 17 de maio de 2019

GURUS E CURANDEIROS – PARTE VII

“já na sessão com Otília Diogo, o circo seria armado pela revista O Cruzeiro”

O CASO OTÍLIA

Chico Xavier, mesmo depois da proibição de seu guia Emmanuel de realizar sessões de materialização, foi assistir em 1963 as conhecidas aparições que eram produzidas pela médium Otília Diogo. Por sua vez, uma das aparições que eram mais frequentes se tratava de uma freira chamada Irmã Josefa.
O chamado caso Otília, um dos mais polêmicos do Espiritismo brasileiro, teve a participação ardilosa da revista O Cruzeiro, que primou pelo sensacionalismo e pela intenção de desmascarar o fenômeno espírita e colocá-lo no ridículo. O escândalo produzido pela revista na época ganhou dimensão nacional e, de certa forma, colocou o Espiritismo no debate público.
O livro de Jorge Rizzini, chamado Materializações de Uberaba, é o documento principal do chamado Caso Otília, e descreve a má fé da revista O Cruzeiro em detalhes. Os repórteres enredaram Chico Xavier e toda a equipe que participou da materialização pela médium Otília em um escândalo que abalou todo o movimento espírita mundial.
Num sessão de controle rigoroso, com equipamentos de filmagem e fotografia, realizada dentro do consultório do médico Waldo Vieira, foram instaladas nove câmeras fotográficas, tal medida tinha como objetivo capturar as imagens materializadas dos espíritos em nove ângulos diferentes para exame e confronto. Além destas câmeras, também havia barômetros, balanças, dentre outros equipamentos para controle rigoroso do fenômeno que se daria ali, para evitar qualquer forma de fraude, incluindo nisto uma jaula de aço para que os médiuns realmente comprovassem a veracidade do fenômeno de materialização, mais uma forma de evitar qualquer forma de prestidigitação.
Na abertura da sessão temos Waldo Vieira lendo um trecho do Evangelho, e logo se apaga a luz do consultório, com a sala ficando na escuridão total. Logo começam a se ouvir, no lado esquerdo da jaula, ruídos guturais. Era a médium Otília em transe e já em seguida liberando ectoplasma, tanto pela boca, como pelos ouvidos e nariz. Logo se ouvem palavras gritadas e ininteligíveis, era a garganta recém-formada do espírito manifestado ali pelo ectoplasma liberado pela médium Otília.
Temos então a materialização de Irmã Josefa, com roupa de freira, toda branca, trazendo uma luz na fronte e no tórax. Ela diz um “Viva Jesus!”, e logo esparziu gotas de perfume. E então a freira manifestada diz : _ Sabem porque estou aqui entre vocês, meus filhos? Para dar provas de que a morte não existe. Provas verdadeiras de que todos vocês são imortais.
O espírito materializado da freira se deixou fotografar sem grandes problemas, e temos também nesta mesma noite a materialização do espírito de Alberto Veloso, ex-médico da marinha, este sendo uma materialização integral que se anunciou no recinto esparzindo gotas de éter. Vendo a médium Otília Diogo, por sua vez, podemos nos lembrar de médiuns pioneiros como Eusápia Paladino, também analfabeta, e também da médium Mme. D `Esperance.

O ESCÂNDALO DA REVISTA “O CRUZEIRO”

E agora teremos a descrição da intervenção desastrosa, adrede, da revista O Cruzeiro, nas sessões de materialização envolvendo a médium Otília Diogo. E isto depois de uma primeira reportagem amigável do fenômeno, baseado num programa de TV, sem qualquer embasamento de local e contexto.
Em seguida, já na sessão com Otília Diogo, o circo seria armado pela revista O Cruzeiro, eram sete repórteres e fotógrafos com intenções sensacionalistas. Dentro de um controle rigoroso, a médium Otília entra em transe, libera ectoplasma, e temos a materialização da freira Irmã Josefa, aparição esta que permaneceu materializada durante trinta minutos, permitindo-se ser tocada e fotografada. Depois temos a materialização do espírito de Alberto Veloso, este ficando por quarenta minutos, e também se deixando fotografar. Depois de impressões estupefatas dos repórteres da revista O Cruzeiro, no entanto, viria a armação do escândalo.
A revista O Cruzeiro passa a divulgar uma série de reportagens intitulada “A Farsa da Materialização”, série esta que atacou a médium Otília e os médicos presentes na sessão, todos acusados de mistificação e charlatanismo. Se tratou de uma campanha de O Cruzeiro contra o Espiritismo que durou quase três meses consecutivos, ocupando onze números seguidos da revista, somando setenta páginas compactas e oitenta e sete fotografias. Tal bateria contra o Espiritismo não poderia poupar, evidentemente, e também, o médium Chico Xavier. Se tratou de uma soma de acusações estapafúrdias, com tons sensacionalistas.
Dentre as acusações, temos que o ectoplasma que saía de Otília era um chumaço de pano branco. Se viam sinais de dobragens e costuras nas roupas dos espíritos materializados. As materializações, sob a luz, projetavam sombras nas paredes. As fotografias das materializações são truques grosseiros. Documentos "oficiais" provam que a materialização de Uberaba é uma farsa.
A espiritualidade já sabia do escândalo que estava sendo tramado pela revista O Cruzeiro, e deste modo, por outro lado, Irmã Josefa atingiu seu objetivo, pois após a publicação da série de reportagens sensacionalistas, temos um fenômeno editorial para o Espiritismo, nesta época, no Brasil, e que leva o Departamento Editorial da Federação Espírita Brasileira a afirmar categoricamente que o caso de Otília Diogo não ficou devendo nada ao caso Arigó. E logo em seguida, Luciano do Anjos e Jorge Rizzini, em programas televisivos, desmascaram a fraude dos repórteres da revista O Cruzeiro.
Contudo, seis anos depois deste escândalo, a médium Otília Diogo é presa com uma maleta cheia de roupas utilizadas nas chamadas “materializações”, sendo, inclusive, encontrado o hábito que era usado pelo espírito de Irmã Josefa. A médium, já presa, explicou que perdera a mediunidade em 1965, e que não se conformou e passou a apelar para truques.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.




quinta-feira, 16 de maio de 2019

PODERES VICIADOS

Os discursos versam
seus melismas de retórica
como uma pletora
de vícios,

a língua, anestesiada
com o repto de defesa,
tem toda uma camada
reptílica de hipocrisia,

o sonho naufraga
nestes estertores
de uma ética da vida
que agora vira morte,

o homem, com seu colarinho,
versa seu panegírico
como um rábula
e como um nababo
que, na verdade,
trota como um
sabujo dos altos
poderes,

o reino destes ídolos
reflui e vira ruína
com o grito que
sempre vem das ruas.

16/05/2019 Gustavo Bastos

BROCADO BRILHOSO

O trabalho do brocado é sucinto,
num plano todo bem urdido,
com vincos e dobraduras
que em campos festonados
refulge com fulvos e rubros,

lento todo o esmero,
no entanto, preciso
como um mecanismo
de esfera,

toda sutura e toda a custura
brilha em tal brocado
como um bom karma
e é brilhante,

o poema, com certo mimetismo,
detém deste trabalho
toda a sua ferocidade
amansada de sábio,
seu sol apaziguado
depois da guerra,

o brocado vira em toda
a canção um tanto
de linhas vitoriosas,
como um bom vestido
de festa.

16/05/2019 Gustavo Bastos

CANÇÃO CELTA

O poema que exulta
com as cores das vinhas
tem o tempo como um som
que explode os sonhos
em transes e rezas,

das coisas elencadas
pelo templo dos druidas,
lá estava stonehenge
como delírio em que
merlin exultava
seus mistérios,

vejo, como um lírio
que nasce do solo terroso,
estes mistérios serem
aos poucos desvelados,

o poema está inscrito
na adaga dos guerreiros,
o druida que vertia
sua barba branca,
deu à feiticeira verde
todas as poções
que existiam
desde circe,

as vinhas renasciam
e o torpor dominava
o proscênio,
lá, com as mãos delicadas,
a feiticeira agora
ficava rosa,
e depois de uma luta
entre espadachins,
fitou a mágica
e fez de um poeta
seu mais astuto
redentor.

16/05/2019 Gustavo Bastos

ÊXTASE DANÇANTE

Os dançarinos que correm
pela sala dos espelhos
olham suas almas
com o som da música,
seus corpos em pulsação
e ritmo.

Vejo, em transe, todo o canto
sonoro que ecoa na câmara
que tem toda uma vibração
de fontes anímicas,

soa como um som metálico
os dias vitoriosos
que as almas lavadas
almejam,

a dança frenética
que tem em sua potência
toda a vibração
de poesia e música,

o castelo em que dorme
a lua virada
da noite está
nesta câmara
que ressoa
sensações
extáticas.

16/05/2019 Gustavo Bastos

segunda-feira, 13 de maio de 2019

TORQUATO, O DESBUNDE E O CINEMA MARGINAL


“o debate musical ganhava sentido político”

Torquato Neto viveu a sua geração, e fazia parte de sua época o desbunde, sua criatividade foi influenciada por este cenário que incluía, para o bem e para o mal, uma experiência supostamente espiritual com as drogas. O desbunde então tinha este sentido de experiência corporal e que tinha o carro-chefe desta época, que era o LSD, a viagem lisérgica que foi o tema-valise da geração do desbunde, e Torquato Neto viveu isto intensamente, e de certo modo teve seu preço, não exatamente o suicídio, mas seu percalço na loucura decerto esteve diretamente relacionado à desmedida de álcool e LSD.
A navilouca tinha um brilho, mas a escuridão do cenário político era forte, tempos bicudos de ditadura, a experiência mesclada de desbunde e perseguição política, drogas e tortura, e que tem como resultado um cenário em que os que lutaram na arte e com as armas que tiveram, alguns, fim trágico, ou seja, suicídios, prisões, exílio e tortura. Torquato, em meio a este cenário, manteve no Jornal dos Sports a sua coluna “Música Popular”, que saiu de março a setembro de 1967. O contexto cultural era intenso e interessante, era a época dos festivais de música, o auge da MPB, e cenário do surgimento do tropicalismo, que virou então fenômeno de massa sob o influxo dos festivais.
A música popular, neste contexto histórico, aparecia em meio ao debate político da esquerda contra a direita e no conflito dentro da própria divisão em facções na esquerda. No debate musical, por sua vez, vemos fenômenos que hoje podem ser vistos como anódinos, mas que no contexto da época foram vigorosos, como a passeata contra a guitarra elétrica, de puristas da música brasileira, que logo foram superados pelo amálgama do tropicalismo.
Por sua vez, o debate musical ganhava sentido político, pois este se ligava diretamente ao movimento estudantil. A tragédia toda se deu, no entanto, em dezembro de 1968, com o Ato Institucional n ° 5, a linha dura da ditadura agora dá as caras, e a arte sofreria também, pois a censura seria institucionalizada de vez, a mordaça colocaria um novo desafio criativo para os artistas daquela época, e o paradoxo era o de que temos um momento brilhante da música e da arte em geral, no Brasil, e isto tudo vai de encontro a uma reação da ditadura que vai asfixiar a intelectualidade e os movimentos artísticos nacionais.
Torquato, agora neste cenário de censura e tortura, acaba passando quase um ano em Londres e Paris. Em 1969, por exemplo, chegou a ter contato com Yoko Ono e John Lennon, e seu famoso encontro com Jimi Hendrix. E temos, nestes chamados anos de chumbo, a sua coluna mais célebre, a “geleia geral”, e é o tempo em que Torquato, assíduo, frequenta diariamente o show Gal Fa-tal. “Geleia Geral” é uma coluna que será bem mais ampla em temática do que a coluna “Música Popular”.
Torquato, na sua versão geleia geral, já está afastado e rompido com o tropicalismo, seu envolvimento com a música, contudo, continua intenso, ele descobre Luiz Melodia, e seu foco terá, porém, agora uma prioridade pelo cinema e pela literatura, e aqui surge a literatura marginal que é traduzida pela experiência da Navilouca, e temos também o cinema marginal, e sobretudo a poesia marginal dos anos 1970. É neste cenário que surgirá, por exemplo, o poeta Chacal, que preparava já o que viria a ser a Nuvem Cigana.
Torquato, em fins de 1969, se volta à crítica acerba ao Cinema Novo e a Glauber Rocha, neste cenário da Embrafilme e do circuito comercial nacional financiado pelo Estado. O filme histórico, o carro-chefe deste cenário provoca a crítica de Torquato, um adepto do cinema marginal, e que entra em conflito com o mainstream, Torquato, por sua vez, se envolve intensamente com o cinema marginal, se tornando uma de suas figuras emblemáticas no Brasil, sobretudo no seu entusiasmo pelo superoito.
O cinema marginal vai já numa direção pós-tropicalista e contracultural, com fontes em Godard e do underground nova-iorquino, e que na versão nacional vira o udigrudi tupiniquim, e juntava este estética com a valorização das tradições populares do cinema brasileiro, que eram a chanchada e as criações de José Mojica Marins, que aparecia como o personagem Zé do Caixão. O cinema marginal tem uma estética mais “suja”, contra as cores e o glamour do cinema industrial. Aqui temos o cinema trash contra o cinema pop, e mais além do trash, o terceiro mundo.
Torquato se destaca no cinema marginal como o vampiro Nosferato, sob a direção de Ivan Cardoso, e que será um dos filmes mais cult do chamado udigrudi. No cenário de diretores, temos nomes como Rogério Sganzerla, Júlio Bressane e Neville d `Almeida. Torquato também participou como ator no inacabado A múmia volta a atacar, e no filme Helô e Dirce, de Luiz Otávio Pimentel, filme este que envolve uma projeção metafórico-performática das andanças imaginárias dos poetas Torquato Neto e Waly Salomão pelo dark side dos dark rooms, e que é uma apropriação do cult underground nova-iorquino dos anos 1960, o filme Flaming Creatures do diretor Jack Smith.
O superoito seria a experiência do último ano de vida de Torquato Neto, junto com a Navilouca, as últimas colunas do Última Hora, e nesta época ele também passa alguns meses em Teresina, lá faz filme, jornal e também se interna numa clínica para desintoxicação. Aqui sua performance poética é de textos e imagens de uma arte em transe, já para além de suas apropriações antropofágicas feitas em outro tempo.

POEMAS :

AI DE MIM, COPACABANA : A música de Caetano Veloso e Torquato Neto vem como uma inspiração na crônica clássica de Rubem Braga, no que segue : “Um dia depois do outro/Numa casa abandonada, numa avenida/Pelas três da madrugada/Num barco sem vela aberta nesse mar/Nesse mar sem rumo certo/Longe de ti ou bem perto é indiferente, meu bem/Um ano depois do outro/Ao teu lado ou sem ninguém no mês que vem/Nesse país que me engana/Ai de mim, Copacabana”. Aqui temos o letrista Torquato com a alegoria do mar e a imagem de Copacabana nessa falta de rumo em que o poeta está num país que lhe engana e que tem o estribilho do ai de mim Copacabana que inverte a lógica que havia em Rubem Braga, no que segue : “Tomar o vento de assalto numa viagem, num salto/Você olha nos meus olhos e não vê nada/Assim mesmo é que eu quero ser olhado/Um dia depois do outro/Talvez no ano passado é indiferente/Minha vida, tua vida/Meus sonhos desesperados”. Copacabana é que olha o poeta-letrista, no que ele possui seus sonhos desesperados, no que segue : “Minha mãe, teu pai, a rua/Nesse país que me engana/Ai de mim, Copacabana/Ai de mim, Copacabana, ai de mim ...” (...) “Nesse país que me engana/Ai de mim, Copacabana/Ai de mim, Copacabana, ai de mim ...”. O estribilho ao fim é nauseante, o poeta-letrista se vê neste país que lhe engana, Copacabana que não lhe salva e nem lhe consola, Torquato vira Rubem Braga do avesso e o estribilho-coda é fatalista.

SEM TÍTULO : O poema vem com a estrofe-valise torquatiana, que é : “Vir/Ver/Ou/Vir”. E o poema segue em estrutura livre, e aqui vem a imagem da terra natal de Torquato, Piauí, no que segue : “a coroa do rio poti em teresina lá no Piauí, areia palmeiras/de babaçu e/céu e água e muito longe, depois, um caso de amor um casal uns e/outros.”. E segue, com a novela o terror da vermelha, e que vem num fluxo, o poema aqui ganha corpo de amálgama, o demônio e a águia, e a citação sousândrade, a loucura poética aqui ganha força e solidez, no que segue : “a hora da novela o terror da vermelha/o problema sem solução a quadratura do círculo o demônio a águia/o/número/do mistério dos elementos os quintais da minha terra é a minha/vida;/o faroesteiro da cidade verde/estás doido então? (sousândrade).”. O poema vem de conversa com gil, e aqui temos a estrada teresina-são luís, no que a imagem culmina em triste e teresina, que é tristeresina, no que vem : “conversa com/gilberto gil/e recomeço a/vir ver ou/aqui onde herondina faz o show/na estação da estrada de ferro teresina-são luís um dia de amanhã/ali/onde etim é sangrando/TRISTERESINA”. O poema aqui ganha a concepção de filme, e a linguagem tem seu papel ressaltado, alegoria que vira viagem, a língua que diz o mundo, no que segue : “saio, uma vez ferido de morte e me salvei/o primeiro filme – todos cantam sua terra/também vou cantar a minha/VIAGEM/LÍNGUA/VIALINGUAGEM/um documento secreto/enquanto a feiticeira não me vê/e eu pareço um louco”. O poeta-louco volta à sua terra, Teresina, e o poema ganha seu sol, sua zona tórrida, no que segue : “TERESINA/zona tórrida musa advir/uma ponta de filme – calças amarelas/quarto número seis sete cidades.”

LOUVAÇÃO : A música de Gilberto Gil e Torquato Neto, que tem a versão conhecida pelas vozes maravilhosas de Elis Regina e Jair Rodrigues, tem uma letra que celebra, ou melhor, louva, e tem uma certa verve positiva, no que segue : “Vou fazer a louvação, louvação, louvação/Do que deve ser louvado, ser louvado, ser louvado./Meu povo, preste atenção, atenção, atenção./Repare se estou errado./Louvando o que bem merece,/Deixo o que é ruim de lado.”. A mensagem é boa e evidente, louva o que é bom, deixa o ruim de lado, e aqui a esperança ganha cores de fé e de medida de uma alma que bem sabe o que quer, no que segue : “Quem espera sempre alcança,/Três vêis salve a esperança!”. A letra de Torquato aqui tem graça e luz, seu estro tem uma fé que aqui é louvação, amor e paz contra a guerra, a exaltação do homem e da mulher, um banho de positividade que inunda toda a música e letra, e que nos enleva, numa força irresistível, no que segue : “Louvo agora e louvo sempre/O que grande sempre é :/Louvo a força do homem/E a beleza da mulher,/Louvo a paz pra haver na terra,/Louvo o amor que espanta a guerra.”. A letra aqui tem um corpo inteiro, potente, que registra a vida em toda a sua intensidade, no que segue : “Louvo a vida merecida/De quem morre pra viver,/Louvo a luta repetida/Da vida, pra não morrer.”. Aqui letra e canção, se louva a primavera, no que segue : “Louvo a casa onde se mora/De junto da companheira,/Louvo o jardim que se planta/Pra ver crescer a roseira,/Louvo a canção que se canta/Pra chamar a primavera.”. A letra aqui volta ao seu estribilho, que louva a fé que tem esperança, junta o bom e deixa o ruim, no que vem : “E assim fiz a louvação, louvação, louvação/Do que vi pra ser louvado, ser louvado, ser louvado./Se me ouviram com atenção, atenção, atenção,/Saberão se estive errado/Louvando o que bem merece,/Deixando o ruim de lado.”.

DOMINGOU : A música de Gilberto Gil e Torquato Neto vem das três horas da tarde, a imagem de domingo, no que vem : “São três horas da tarde/É domingo/Da janela a cidade se ilumina/Como nunca jamais se iluminou/São três horas da tarde/É domingo/Na cidade, no Cristo Redentor ê ê”. A letra de Torquato vem toda cantante, feita para a canção, no que segue : “É domingo ê ê/Domingou meu amor”. A letra aqui segue a forma-canção com mestria, no que vem : “Em Ipanema e no meu coração ê ê/É domingo no Vietnã/Na Austrália e em Itapuã/É domingo ê ê/Domingou meu amor/Quem tiver coração mais aflito/Quem quiser encontrar seu amor/Dê uma volta na praça do Lido/Ô skindô, ô skindô, ô skindô-lê-lê/Quem quiser procurar residência/Quem está noivo e já pensa em casar/Pode olhar o jornal, paciência/Tra-lá-lá tra-lá-lá ê ê”. A letra tem aqui a imagem do tempo passando, e o domingo que produz o verbo domingar, e o poeta diz, sem nenhuma dúvida no coração, domingou meu amor : “Olha o tempo passando,/Olha o tempo/É domingo, outra vez/Domingou meu amor ...” .

GO BACK : A música de Sérgio Britto e Torquato Neto tem um frescor, é jovial, tem até uma versão dos Titãs que enuncia este caráter mais descolado da letra, no que segue : “Você me chama/eu quero ir pro cinema/você reclama/meu coração não contenta/você me ama/mas de repente a madrugada mudou”. A letra então é certeira, objetiva, e não poupa seu interlocutor, e logo anuncia que é tarde, que tudo mudou, só importa o que dá certo, por certo, e melhor que seja assim, no que vem : “Só quero saber/do que pode dar certo/não tenho tempo a perder” (...) “agora é tarde/tempo perdido/mas se você não mora, não morou/é porque não tem ouvido/que agora é tarde/- eu tenho dito –/o nosso amor mixou/(que pena) o nosso amor, amor/e eu não estou a fim de ver cinema/(que pena).”. O letrista faz a sua transição, e diz que está indo, e vai atrás do que vai dar certo.

POEMAS :

AI DE MIM, COPACABANA

Um dia depois do outro
Numa casa abandonada, numa avenida
Pelas três da madrugada
Num barco sem vela aberta nesse mar
Nesse mar sem rumo certo
Longe de ti ou bem perto é indiferente, meu bem
Um ano depois do outro
Ao teu lado ou sem ninguém no mês que vem
Nesse país que me engana
Ai de mim, Copacabana
Ai de mim, Copacabana, ai de mim
Quero voar no Concorde
Tomar o vento de assalto numa viagem, num salto
Você olha nos meus olhos e não vê nada
Assim mesmo é que eu quero ser olhado
Um dia depois do outro
Talvez no ano passado é indiferente
Minha vida, tua vida
Meus sonhos desesperados
Nossos filhos, nosso fusca
Nossa boutique na Augusta
O Ford Galaxie e o medo de não ter um Ford Galaxie
O taxi, o bonde, a lua, meu amor é indiferente
Minha mãe, teu pai, a rua
Nesse país que me engana
Ai de mim, Copacabana
Ai de mim, Copacabana, ai de mim ...

Você olha nos meus olhos e não vê nada
É assim mesmo que eu quero ser olhado
Um ano depois do outro
Ao teu lado ou sem ninguém no mês que vem
Nesse país que me engana
Ai de mim, Copacabana
Ai de mim, Copacabana, ai de mim ...

(música de Caetano Veloso e Torquato Neto)

SEM TÍTULO

                                                                                       Vir
                                                                                       Ver
                                                                                       Ou
                                                                                       Vir  

a coroa do rio poti em teresina lá no Piauí, areia palmeiras
de babaçu e
céu e água e muito longe, depois, um caso de amor um casal uns e
outros.
procuro para todos os lados – localizo e reconheço, meu chicote na
mão
e os outros :
a hora da novela o terror da vermelha
o problema sem solução a quadratura do círculo o demônio a águia
o
número
do mistério dos elementos os quintais da minha terra é a minha
vida;
o faroesteiro da cidade verde

estás doido então? (sousândrade).
ela me vê e corre, praça joão luís ferreira.
esfaqueada num jardim
estudante encontrado morto

ando pelas ruas tudo de repente é novo para mim, a grama, o meu
caso de
amor, que persigo, esses meninos me matam na praça do liceu.
conversa com
gilberto gil
e recomeço a
vir ver ou
aqui onde herondina faz o show
na estação da estrada de ferro teresina-são luís um dia de amanhã

ali
onde etim é sangrando

TRISTERESINA

uma porta aberta semiaberta penumbra retratos e retoques
eis tudo, observei longamente, entrei e saí e novamente eu volto
enquanto
saio, uma vez ferido de morte e me salvei
o primeiro filme – todos cantam sua terra
também vou cantar a minha

VIAGEM/LÍNGUA/VIALINGUAGEM

um documento secreto
enquanto a feiticeira não me vê
e eu pareço um louco pela rua e um dia eu encontrei um cara muito
legal que eu me amarrei e nós ficamos muito amigos eu o via
o dia inteiro e a poucos conhecia tão bem.

VER

e deu-se que um dia o matei, por merecimento.
sou um homem desesperado andando à margem do rio parnaíba. 

BOIJARDIM DA NOITE

este jardim é guardado pelo barão. um comercial da pitu,
hommage,
à saúde de luiz otávio.
o médico e o monstro. hospital getúlio vargas. morte no jardim.
paulo josé, meu primo, estudante de comunicação em brasília,
morre
segurando bravamente seu rolling stone da semana

sol a pino e conceição

correndo sol a pino pela avenida

TERESINA

zona tórrida musa advir

uma ponta de filme – calças amarelas
quarto número seis sete cidades.

LOUVAÇÃO

Vou fazer a louvação, louvação, louvação
Do que deve ser louvado, ser louvado, ser louvado.
Meu povo, preste atenção, atenção, atenção.
Repare se estou errado.
Louvando o que bem merece,
Deixo o que é ruim de lado.

E louvo, pra começar,
Da vida o que é bem maior :
Louvo a esperança da gente
Na vida, pra ser melhor.
Quem espera sempre alcança,
Três vêis salve a esperança!

Louvo quem espera sabendo
Que pra melhor esperar,
Procede bem quem não para
De sempre e mais trabalhar.
Que só espera sentado
Quem se acha conformado.

Vou fazendo a louvação, louvação, louvação
Do que devo ser louvado, ser louvado, ser louvado.
Quem estiver me escutando, atenção, atenção.
Que me escute com cuidado.
Louvando o que bem merece,
Deixo o que é ruim de lado.

Louvo agora e louvo sempre
O que grande sempre é :
Louvo a força do homem
E a beleza da mulher,
Louvo a paz pra haver na terra,
Louvo o amor que espanta a guerra.

Louvo a amizade do amigo
Que comigo há de morrer,
Louvo a vida merecida
De quem morre pra viver,
Louvo a luta repetida
Da vida, pra não morrer.

Vou fazendo a louvação, louvação, louvação
Do que deve ser louvado, ser louvado, ser louvado.
De todos peço atenção, atenção, atenção.
Falo de peito lavado
Louvando o que bem merece,
Deixo o que é ruim de lado.

Louvo a casa onde se mora
De junto da companheira,
Louvo o jardim que se planta
Pra ver crescer a roseira,
Louvo a canção que se canta
Pra chamar a primavera.

Louvo quem canta e não canta
Porque não sabe cantar
Mas que cantará na certa
Quando, enfim, se apresentar
O dia certo e preciso
De toda a gente cantar.

E assim fiz a louvação, louvação, louvação
Do que vi pra ser louvado, ser louvado, ser louvado.
Se me ouviram com atenção, atenção, atenção,
Saberão se estive errado
Louvando o que bem merece,
Deixando o ruim de lado.

(Música de Gilberto Gil e Torquato Neto)

DOMINGOU

São três horas da tarde
É domingo
Da janela a cidade se ilumina
Como nunca jamais se iluminou
São três horas da tarde
É domingo
Na cidade, no Cristo Redentor ê ê
É domingo no trólei que passa
É domingo na moça e na praça
É domingo ê ê
Domingou meu amor

Hoje é dia de feira
É domingo
Quanto custa hoje em dia o feijão
São três horas da tarde
É domingo
Em Ipanema e no meu coração ê ê
É domingo no Vietnã
Na Austrália e em Itapuã
É domingo ê ê
Domingou meu amor

Quem tiver coração mais aflito
Quem quiser encontrar seu amor
Dê uma volta na praça do Lido
Ô skindô, ô skindô, ô skindô-lê-lê
Quem quiser procurar residência
Quem está noivo e já pensa em casar
Pode olhar o jornal, paciência
Tra-lá-lá tra-lá-lá ê ê

O jornal de manhã chega cedo
Mas não traz o que eu quero saber
As notícias que leio conheço
Já sabia antes mesmo de ler
Ê ê qual o filme que você quer ver?
Que saudade, preciso esquecer
É domingo
Ê ê domingou meu amor

Olha a rua meu bem, meu benzinho
Tanta gente que vai e que vem
São três horas da tarde
É domingo
Vamos dar um passeio também
Ê ê o bondinho viaja tão lento
Olha o tempo passando,
Olha o tempo
É domingo, outra vez
Domingou meu amor ... .

(Música de Gilberto Gil e Torquato Neto)

GO BACK

Você me chama
eu quero ir pro cinema
você reclama
meu coração não contenta
você me ama
mas de repente a madrugada mudou
e certamente
aquele trem já passou
e se passou
passou daqui pra melhor,
foi!

Só quero saber
do que pode dar certo
não tenho tempo a perder
você me pede
quer ir por cinema
agora é tarde
se nenhuma espécie
de pedido
eu escutar agora
agora é tarde
tempo perdido
mas se você não mora, não morou
é porque não tem ouvido
que agora é tarde
- eu tenho dito –
o nosso amor mixou
(que pena) o nosso amor, amor
e eu não estou a fim de ver cinema
(que pena).

(Música de Sérgio Britto e Torquato Neto)

Link da música “Louvação” (Elis Regina e Jair Rodrigues) : https://www.youtube.com/watch?

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.



      









sábado, 11 de maio de 2019

A NOITE CRUEL

As vezes que a noite cai
todos os fantasmas
acordam, na alta madrugada
também acordam
os pobres diabos
azedos como o cão,
as dores se estufam,
as desrazões
viram loucura,
o tempo se estica,
mas é rarefeito,
impreciso.

Na noite dos cães virados
em torpor, a música
não alivia, é uma
tormenta que explode
o coração em cacos,
na noite cruel
das almas,
o tempo é tortura.

11/05/2019 Gustavo Bastos