PEDRA FILOSOFAL

"Em vez de pensar que cada dia que passa é menos um dia na sua vida, pense que foi mais um dia vivido." (Gustavo Bastos)

domingo, 30 de junho de 2019

FLOR DE BRUMA

A flor que nasce da bruma
está em sonho como um delírio,
flor mormente doce
e cheia de vida,
flor diamantada
que nasce do rio
e vive ao vento,

folhas caem, o caule da
árvore alimenta
a floresta densa,
a água desce à raiz,
flor e fruto
fazem canção,
um pássaro pousa,
o dia está iluminado,
o poeta olha em volta
e desata a cantar
seu estro de liberdade.

29/06/2019 Gustavo Bastos

TEMPOS FORTES

A geografia do pensamento
traça esta história com
o rigor da máquina
e a dureza do diamante,

os tempos fortes da música
ressoam na câmara de eco,
poemas lutam sempre
com o ar da vida,
afirmam este sopro
que nos dá a visão,

poema reto, de um estro
que é enigma, revela
a minha face precisa,
este poema todo,
como uma rosa.

29/06/2019 Gustavo Bastos

O DOM DA PALAVRA

A palavra, dom e graça
da poesia, veste o poema
com seu ardor e mármore,
sua rocha original
que sonha e realiza,

vem todo este poema,
verter d ´água palavra,
fazer da chuva e do sol
o tempo inteiro
de seu ritmo,

luta a nuvem contra o silêncio,
o vento lhe sopra,
a palavra, esta
nuvem plena,
é soprada
pelo poeta,

o poeta que escreve,
na palavra seu
dom e graça,
revela o divino
em versos profanos.

29/06/2019 Gustavo Bastos

O CAVALEIRO

O cavaleiro de aço mormente
o valete que luta em guerra,
faz de seu estro grande bardo
e rutila sol como aurora,

o cavaleiro, da veste tormentosa,
que rutila seu sonho e tem de si
o próprio raciocínio, querendo
os dias como glória e seu
tempo de luta uma bravura,

cavaleiro, que todo o caminho
seja este, feliz em ser guerreiro
e pleno de si ao meio-dia.

29/06/2019 Gustavo Bastos

VINHO TINTO

Pressinto no dom que funda a vida
o canto vinho que derrama
e me ferve a alma,
lenho que crepita
entre os poros,
que me vê
e que me sente,

sinto, do vinho mais nobre,
o coração que levita
embriagado, e o sonho
que me envolve
na luta febril
dos que são poetas,

vem todo este cabedal
de sentimentos,
do vinho à estrela
que rutila, do páramo
ao canto terroso
que flui no vinho
tinto seco.

29/06/2019 Gustavo Bastos

O PEIXE

O peixe na represa se balança,
a água do rio lhe dá as nadadeiras,
suas guelras lutam em meio à correnteza,
todas as cores deste sonho
lhe dão este ar brilhoso de peixe,
o ser supremo dos mares e dos rios,
livre de nadar, livre de ser ele
o peixe que conhece o
dom da água,

peixe que borbulha e nos dá
esta visão do mar,
este certo aroma de rio,
e uma cultura bela
de lagoa,

o peixe, símbolo cristão primevo,
que dos pescadores tem o
milagre, que da cozinha
tem a destreza,
peixe do mundo d `água,
peixe dos mares
e de todo o oceano,
peixe que nada
e se balança.

29/06/2019 Gustavo Bastos 

AMETISTA

A pedra ametista refulge
em notas da pedra rolada,
o poema gera este viço
que lembra meu ardor,
que lembra meu saber,

a luta que revoa na ametista
tem este dom de tudo ver
na fábula dos escritos,
um dom de ver e saber
que traduz a sensação
do mundo,

visão plena, ametista sábia,
que canta e encanta
com os meneios de joia
entre os ventos
e as montanhas.

29/06/2019 Gustavo Bastos